Diário da Mama 8 – Uma vértebra no caminho

4tu9d5f27bq61

Henri-Edmond Cross – Nude sleeper (1907)

O corpo em luta me acorda na madrugada. Eu, que na adolescência e na juventude ficava até à 3 ou 4 da manhã escrevendo, agora levanto quase esse horário para escrevinhar. Mas vejo o sol nascer e a orquídea que deabrochou à beira da janela do meu quarto. Olho no Whatsapp e lá estão lindas fotos que o meu querido Franklin Santana Santos me enviou do espaço que está construindo na Bahia, o Observatório do Ser. Queria estar lá, nessa terra que eu amo, mas a vida está suspensa. Já esteve durante dois anos de pandemia e para mim continua um tanto proibida no ir e vir. Escrever, trabalhar ainda pela telinha, descansar muito e cuidar de mim. É o que o momento pede, do que meu corpo e meu espírito precisam.

Ainda na madrugada, como uma laranja espanhola, dessas que dessedentam a sede diabética e um pote de gelatina diet, para aliviar a fome da cortisona e o desejo de doce, sem comprometer a glicemia.

Fiz minha quarta químio há dois dias e já encerrei a fase vermelha – uma etapa vencida. Mas uma semana atrás, estava internada por uma intercorrência. Uma vértebra quebrada, por uma esteoroporose que eu nem sabia que tinha, talvez agravada pela químio, pela cortisona… não sei e a medicina  também não pode quantificar muito, sempre digo que ela está longe de ser uma ciência exata. Sei que me vieram momentos de desânimo, ao constatar que terei agora de tratar de três coisas: a diabete, que já vem de tempos, mas foi piorada nesse processo, o câncer e a osteoporose… Respiro fundo, oro um pouco e levanto o ânimo e falemos das coisas boas que se dão nesse caminho.

Como sempre, o afeto e a espiritualidade são as âncoras da travessia.

Antes do evento da vértebra, recebi um gesto de amor que me tocou. Publiquei nas redes sociais e provocou comentários emocionados e alcançou centenas de visualizações. Samantha Lodi, minha amiga de poesia, de anarquismo, de Anália Franco e Louise Michel, veio me visitar. Por conta da pandemia, há mais de 2 anos que não nos víamos. Em certa altura da visita, ela saca uma máquina zero da mochila e rapa a cabeça, em solidariedade a mim. Empatia, companheirismo, amizade de mulher para mulher…

E deixem-me falar das mulheres… há muitos homens que estão solidários comigo nessa jornada, que me enviam palavras encorajadoras, preces e amor e me oferecem todo tipo de ajuda. Há meu pai que está comigo 24 horas.

Mas as mulheres… essa é minha maior rede de apoio. A irmandade, a sororidade, a cumplicidade, os mimos… Vou citar algumas.. As Cláudias amadas, irmãs em espírito, já que não tive irmãs de sangue nessa vida, a Mota e a Gelernter, que me acompanham nas químios e me cobrem de amor, de presentes e de preocupações. A Nena, que trabalhou comigo em casa mais de 10 anos, mas voltou para me acompanhar nos dias em que não tenho ajuda e me faz suas comidas deliciosas e amorosas. A Cleusa, a que me ajuda na casa há pouco tempo, que tem o nome de minha mãe e me apoia nesses dias também, em alternância com a Nena. Nos dias em fiquei internada, minhas ex-alunas, e amigas do coração, Larissa Blanco e Litza Amorim, estiveram no hospital comigo, cheias de cuidados e apoio. A Maria Paula Bernasconi, a quem não via há décadas, que foi aluna minha no Centro Espírita Pedro e Anita (eu tinha 18 anos!!), e agora passa aqui em casa e me deixa caixas de chocolate diet – o chocolate que alivia qualquer dor física ou moral (pelo menos para as mulheres). Ainda preciso falar de minha tia Maria Lucia, a titi, frustradíssima por não poder estar comigo, por problemas de saúde e por morar longe, que não cessa de me mandar palavras de amor e minha prima Ana, que não se esquece de fazer o mesmo. E ainda tem a Laurinha, que vem dar comida para as cachorras, quando preciso, e fazer umas comprinhas…

E assim, as dores vão se amainando, o tempo vai se passando menos lento, porque o aconchego dado pelos afetos nos resgata de qualquer desânimo.

E ainda há as preces. Nunca é demais enfatizar que elas ajudam mesmo, são uma força real e seus efeitos são palpáveis. Durante as químios, oro com as Claudias, escutamos músicas que elevam e as reações durante a infusão têm sido nulas. Depois, nos dias seguintes, fico cansada, com a pressão baixa e palpitações. Um mal-estar generalizado. Mas nada de enjôo, nada de vômitos… Estou convicta de que a infusão flui tão bem porque há oração e afeto que me cercam o copo e a alma.

E a poesia que não falta:

Uma dor no caminho

Se cura pelo amor

Um desânimo do espinho

Se desata com uma prece

Essa que entretece

A fartura da esperança.

Nada se perde no chão

Se levamos no coração

A ofererenda dos amados

E o certo e divino pão.


10 respostas para “Diário da Mama 8 – Uma vértebra no caminho

  • Magdalena Simi Vannuchi

    Querida Dora, torço por você,e acredite tudo vai passar e vai durar apenas o tempo que precisar.
    Sua força, sua poesia, suas companheiras ,seu pai querido, e todos nós estamos contigo.
    Abraços fraternos

  • Luiz Carlos Altieri

    Fico muito feliz Dora, em saber que você está rodeada de pessoas iluminadas que despejam todo carinho e amor que você bem merece. Como sempre na esperança que o mais rápido possível termine seu tratamento. Muita paz e luz pra você.

  • Marines Carneiro de Almeida

    Dora, pessoa incrível e amada! Feliz de ver você tão amorosamente resignada. A sua fé me inspira.

  • jrkunturcc

    LUZ, PAZ E CARIDADE!!!!
    Minha querida irmã Da. Dora, eu sou JRicardo aquele participante duma Conferência e Palestra Espirita que a Sra. participou aqui em Fortaleza-CE já um tempão atrás, que foi realizado no agora IFCE, sou peruano com 30 anos de Espiritismo e Brasilidade, a Sra. me autografou um livro seu sobre Pedagogia Espirita “A Educação segundo o Espiritismo”, bom o único que posso lhe digitar aqui que “toda guerra onde tem oração com fé, tem vitoria”, que o “Nosso pensamento será o nosso Lar” e “Tudo vai passar” e a sra. a terei nas minhas orações de Luz, então receba um abrasão muito carinhoso dum humilde servidor….
    JRicardo

  • Adriana Jaeger Santos

    Dora, sempre bom te ler, aqui quilometros de distância, me senti mais perto de ti, tu está amparada e merece todas os mimos. Seja muito abençoada e inspirada no teu processo. Beijo!

  • Paula Regina

    Força guerreira!
    Vc vai vencer cada etapa!
    A corrente de preces está forte!
    Cura!Cura!Cura!🙏🙏🙏❤

  • DEOLINDA EMILIA FERREIRA SANTANA

    O que dizer a um ser tão lindo como Dora? Gratidão por suas partilhas. Eu oro por você todos os dias. Tudo passa. Abs

  • Neusa Maria Cereser

    Grande Abraço Dora! …Dora Guerreira, abraça a esperança que sempre nos encorajou nessa jornada, mesmo na dor, nos anima para seguir. A pedagogia do Amor nos induz e dá força e coragem para não desistir. Jesus te ampare e abençoe sempre! ELE nos une com Seu Amor!

  • CONCEIÇÃO APARECIDA CAMPAROTI

    BOA NOITE !!!DORA dizer o que a não ser que seja forte, tenha esperança que tudo isto vai passar, que DEUS te dê saúde . um grande abraço.

  • Zilda Rodrigues

    Dora, você fez por merecer todo o carinho e afeto recebido. Que as bênçãos divinas se multipliquem! Um grande abraço para você, guerreira, mulher forte e de pura energia de paz e de amor. Adoro suas poesias!💋❤️

    Enviado do meu iPhone

    >

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: