Arquivo do mês: maio 2016

À musa estuprada

The_Rape_of_the_Sabine_Women

O rapto das Sabinas, pintura de Nicolas Poussin

Há indignações tão profundas, que só podem ser expressas em poesia, pelo  menos para mim. Nos últimos meses, no meio do espetáculo constrangedor e bizarro em que o país mergulhou, a mulher brasileira foi alvo das mais absurdas violências: uma presidenta que não cometeu nenhum crime afastada do poder por um bando de criminosos, depois de ter sido xingada por uma parte da população, com as maiores baixarias e depois de ter sido ofendida por um Bolsonaro, que invocou seu torturador, num gesto de fascismo e supremo desrespeito humano; a primeira dama do presidente golpista posta como modelo de “beleza, do lar e recato”; um ministério inteiro só de homens (a maioria envolvidos com corrupção); um fundamentalismo religioso avançando no Estado, ameaçando os direitos da mulher; a visita de um ator machista, de filmes pornô, que nada tem a ver com Educação e que se ufana de ter estuprado uma mulher, no ministério da Educação e, por fim, esse estupro coletivo de uma menina de 16 anos, com direito a espetáculo e aplausos na internet! Onde estamos? Retrocedemos séculos? Ou essas camadas obscuras, nauseantes da sociedade não estavam tão visíveis?

Se uma brasileira é estuprada a cada 11 minutos, isso está aí há muito tempo. Mas de repente, com a ascensão política de uma grande maioria de homens que representam justamente esse tipo de macho cafajeste, opressor e sem respeito pelas mulheres (veja-se o que fizeram com a presidenta, que pode ter os defeitos que tiver como política, mas é um ser humano, uma mulher, mãe, avó), temos todos esses homens medievais saindo das cavernas, para mostrar suas caras.

Para eles e para todos os homens que não são como eles (graças a Deus, há muitos); para as mulheres, as que lutam por dias melhores e para aquelas que assumem o discurso do opressor (infelizmente, há muitas), dedico a poesia abaixo:

À musa estuprada

(Versos sáficos)

 

Na favela, ou presidenta,

No congresso, ou no lar…

Há uma ferida nojenta

Há uma mulher a sangrar!

 

A mulher torturada,

Depois impedida.

A mulher estuprada,

Depois esquecida.

 

A mulher excluída,

Se não for recatada.

A mulher ofendida,

Se não for calada.

 

A mulher minha mãe,

A mulher minha irmã,

A mulher é culpada

Porque ela se expõe.

 

A mulher sufocada

De vestido na igreja,

De saia comprida,

Na burca escondida.

 

A mulher violentada,

Estendida na rua,

Porque é despudorada

Porque é puta e está nua!

 

É sempre a culpada,

É sempre a acusada,

É sempre a julgada,

É sempre a safada!

 

É sempre a piranha,

Que não se acanha

Nunca é culpa do senhor,

Do macho predador!

 

Do poder, exilada,

Se honesta, impedida.

Se esbofeteada,

Porque merecida.

 

É sempre a vadia,

É sempre a que traía!

Mas onde o traidor?

Onde o estuprador?

 

A mulher que trabalha,

Que sempre batalha,

Que raro se ausenta,

Dos seus que amamenta…

 

É a mulher que sustenta

Que tudo já aguenta

Por ela que a vida

Se faz e se alenta.

 

Ó terna guerreira,

Eterna na lida,

Não mais quero à beira,

Calada, escondida!

 

Não mais de olhos roxos

Não mais ensanguentada

Não mais enlameada

Não mais acuada.

 

Homens, sois filhos

Sois pais, sois irmãos

Por que não limpais

Enfim vossas mãos?

Por que não partilhais

Iguais condições?

Por que não espalhais

Honestos corações!

 

Mulheres, não rompamos

Nossas mãos unidas

E sempre as estendamos

Às irmãs mais feridas!

 

Homens e mulheres,

Um mundo mais igual

O respeito natural

E a liberdade afinal!

Anúncios