Pensando nas dores humanas – de cada um e de todos nós

xaustralia.jpg.pagespeed.ic.a6-vULBJs4

Acordei hoje pela manhã, no quarto dia do ano de 2020, e já tive que fazer uma longa oração para buscar conforto e inspiração, como antidoto às más notícias do mundo. O céu vermelho de fogo na Austrália, o assassinato através de um drone de seres humanos no Irã (já foram, segundo li, mais de 5 mil assassinatos que o Império americano perpetrou com drones direcionados – muitos deles sob ordem pessoal do próprio Barack Obama, que muitos acham que foi diferente dos outros presidentes – e não importa que digam que sejam terroristas os que morreram, um Estado que faz isso, assassinando à distância, de forma covarde, sem defesa, é um Estado terrorista também).

Passam também pelas minhas redes sociais, fotos terríveis de crianças fugindo, no meio do mar, crianças separadas dos pais, por muros de campos de refugiados… Por toda parte, violência, fome, injustiça e dores inomináveis.

Lembro-me então de duas pessoas iluminadas que pisaram nesse mundo: Buda e Jesus. O primeiro saiu de sua vida principesca para buscar um caminho de libertação do sofrimento para o ser humano. O segundo, saiu de sua vida celeste para vir viver e morrer na terra, partilhando de nossas dores. E ambos, e tantos outros, ensinaram o caminho do desprendimento, da renúncia, da compaixão e da paz.

Mas… ainda estamos distantes desses caminhos.

E eu me pergunto: para que tanta dor? Seria necessário tudo isso?

Em outra ótica, as escalas menores de dores humanas: as pessoas que passaram sozinhas o Natal, as famílias divididas, os filhos que não visitam os pais, coisa que quase nenhum motivo justifica (digo quase, porque talvez seja uma exceção quando houve abuso sexual na infância), os pais que exilam diariamente os filhos em terceirizações várias, para trabalhar em excesso ou apenas para garantirem seus espaços de “aproveitar a vida”.

As multidões sozinhas, em depressão, adoecidas psiquicamente, por falta de olhos nos olhos, por falta de mãos que as segurem, por desespero existencial, por falta de propósito…

Os doentes crônicos ou terminais, sem amparo do Estado, da sociedade e aqueles sem amparo da própria família…

Os prisioneiros, apartados da sociedade, mesmo que tenham cometido crimes, quase nunca há um projeto de verdadeira ressocialização e a prisão é muito mais uma vingança social, uma humilhação da dignidade humana; sem mencionar os que estão lá sem ainda terem sido julgados e estão lá porque fazem parte de uma população etnica e socialmente desprivilegiada e, portanto, sempre suspeita, e portanto sempre sujeita às penalidades desumanas de um sistema opressor.

E mais uma vez, pergunto, para que tudo isso? Para que virar a cara para um familiar, por causa de uma pequena contenda ou discordância? Para que matar um inimigo à distância, ameaçando o mundo com mais uma guerra? Para que abandonar à míngua um ente querido? Para que manter em cárcere multidões que não receberam oportunidades de educação e trabalho e cujo encarceramento, assim como ele é, não redundará em novas oportunidades e melhorias?

Para que nos atormentamos tanto? Para que temos tanto sofrimento nesse mundo?

Por causa desse estado de coisas, muitos deixam de acreditar em Deus. O vale de lágrimas desse planeta é tão abismal, que nossa angústia pode interpelar a Deus, como fazia o poeta: “Senhor Deus dos desgraçados, dizei-me vós, senhor Deus, se é mentira ou se é verdade, tanto horror perante os céus?”

No imprescindível documentário Papa Francisco, um homem de palavra, no meio de uma belíssima entrevista com ele, aparece essa questão: por que sofrem os inocentes? Por que sofrem as crianças? O Papa se refere à liberdade humana. Sim, muito de nosso sofrimento decorre de nossa ganância, de nossa ignorância, de nossa violência, de nossa indiferença. Mas ainda a pergunta persiste: diante de um Deus bom, por que sofrem inocentes? Não adianta apenas responder com a chamada lei de causa e efeito das múltiplas encarnações. Aliás, Buda quis justamente achar um caminho que nos livrasse dessa roda cíclica do karma, que ele, como hindu, estava ciente de existir. Entretanto, a lei de causa e efeito não justifica tanta dor no mundo. Primeiro, porque os animais, que estão fora do domínio da liberdade humana, sofrem tremendamente – muito por causa da ação perversa do homem, mas não só. Segundo, porque não podemos nunca dizer (e isso é um alerta para os espíritas que adoram simplificar o entendimento das coisas de uma maneira superficial e apressada) que um determinado sofrimento seja consequência de más ações de outras vidas. Nunca houve tiranos, criminosos, perversos suficientes no mundo para terem depois reencarnado aos milhões, sofrendo toda essa barbárie como câmeras de gás nazistas, fome na África, massacres em guerras, escravidão no trabalho…

Então, paremos de querer equacionar tudo de maneira exata, matemática, como se fôssemos donos de verdades prontas e definitivas.

Existe a liberdade humana, sim, e dela decorrem as más escolhas individuais e coletivas. Exista e roda indefinida do karma, em que nos enredamos por ignorância, inconsciência (aliás, punindo a nós mesmos, porque não haveria necessidade de punição, apenas de tomada de consciência e reparação). Existem também as condições naturais da vida material, as doenças, o envelhecimento, a morte, que são dores incontornáveis da nossa humanidade – as coisas que impressionaram Buda, quando saiu de seu palácio para olhar a vida lá fora. Existem hoje, no mundo contemporâneo, as condições estabelecidas por um capitalismo selvagem e global, que gera lucro de uns poucos e miséria de milhões, que agride a natureza e está levando o planeta à bancarrota climática. As causas das dores humanas são múltiplas, entrelaçadas, complexas… Por isso, podemos recorrer ao budismo, ao cristianismo e ao espiritismo, ao marxismo e ao anarquismo, à psicologia e à psicanálise, para tentarmos apalpar as nossas desgraças, as nossas dores e as nossas cegueiras. Não se trata de uma miscelânea de ideias, que não combinam entre si e que vamos aplicar de maneira superficial para captarmos a realidade. Mas, cada um que procurou meios de sanar nossas dores, seja por caminhos espirituais, seja por revoluções sociais, seja por terapias de cura de nosso psiquismo ou de propostas de ascensão de nossa alma, cada mestre, cada filósofo, cada pensador, cada ativista, pode ter trazido alguma luz, para enfrentarmos a angústia de estarmos mergulhados num mundo tão sofrido.

Gosto muito de uma abordagem do grande escritor espírita Léon Denis: para ele, a dor faz parte de nossa condição humana porque nossa evolução ou maturação como espíritos imortais passa pelas dores do parto dessa ascensão. Ou como diriam muitos mestres, orientais e ocidentais: estamos, a maioria, dormindo. A dor nos desperta. Não adianta portanto, nos escondermos dela, num turbilhão de futilidades ou numa espiritualidade light de autoajuda egoísta. Como Buda e como Jesus, temos que encarar as dores humanas, nos compadecermos profundamente delas, e com nossa consciência desperta, acordarmos o maior número possível de pessoas, através de nossa entrega, de nosso amor, de nossos gestos de luta, em paz.

 


11 respostas para “Pensando nas dores humanas – de cada um e de todos nós

  • jose hijjar zidde

    Escreva com mais frequência. Abs

    • Dora Incontri

      Olá José, tenho escrito também em outros blogs, por isso esse ficou um tanto abandonado. Há o blogabpe.org, o bloguniversidadelivrepampedia.com e nesse ano de 2019, estreei uma coluna no Jornal GGN, chamada Espiritismo Progressista, que sai geralmente às segundas-feiras. Devo recomeçar na segunda semana de janeiro. Abraço

  • fernandes-osmis

    Sensacional Dora.
    Um artigo que nos leva a meditar e se conscientizar…Porque que tudo isso…
    Artigos realistas como este, faz com que o ser se coloque numa marcha para a destruicao do velho homem arcaico e corroído por meros regimes fantasiosos que temos, para que possa o novo homem ressurgir das cinzas onde as brasas jamais e apagaram.
    Somente assim as dores naturais trarão oportunidades para crescermos e farão com que as dores impostas pelo poderio bárbaro se dissipe de nossa morada.

  • Herbert

    Parabéns pelo belo texto Dora. Abraço, Herbert, Brasília, DF.

  • Edna Xavier

    Um grande presente nesta manhã de domingo este texto da nossa mestra Dora Incontri.Obrigada Dora.Da muito o que pensar e refletir.

  • Debora Rocha

    👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏
    Reflexão e ação no melhor que possamos fazer.
    Atitude. ⚘

  • Aloísia Campos Campos

    Oi Dora amiga, te acompanhando, aprendi a me questionar em tudo que faço, desejo que o nosso Pai celestial e nosso irmão Jesus, junto com os irmãos de luta pelo despertamento de nossa consciência, te acompanhe sempre ao seu lado lhe Amparando,Fortalecendo,Harmonizando,Despertando o melhor de ti grata.

  • Eduardo Bagagli

    Obrigado por compartilhar o texto. Muito bem escrito, sensível e otimista. Parabéns.

  • Paulo Juarez Valsecchi

    Prezada Dora,
    Tenho acompanhado algumas crônicas tuas desde uma que fizeste sobre a eleição para presidente. Podemos gostar da forma, mesmo discordando do conteúdo e é esse o meu caso. Acabo lendo tua matéria e sinto que posso dar uma colaboração, mesmo que nossos pensamentos sejam diferentes. Sou cristão, acredito que nosso espírito tem um grande privilégio quando nasce humano nesse mundo que chamamos terra. A partir do momento em que nascemos, nosso ego começa a destruir tudo o que de bom esse espírito poderia fazer. O caráter humano é o que há de mais complicado sobre a face desta terra. Temos por parte do Nosso Criador, uma liberdade total, somos tão livres que Ele não interfere em nada nas nossas atitudes. Acontece que a partir do momento em que nascemos, parece que a ordem é: te apodera da liberdade do outro e a cada conquista e aumento de poder que temos, seja diante de outra pessoas, seja sob um grupo de pessoas ou mesmo de uma nação, parece que nosso Ego nos obriga a oprimir os outros e vai aumentando o espaço que ele precisa. Quero dizer com isso, que mesmo que Deus quisesse; e Ele não está por trás das regras das religiões, Deus não faria tanto mal ao homem quanto o próprio homem faz a si mesmo.Então aparecem as religiões, tentando explicar a morte e o que vem depois e impondo formas de comportamento que apenas aumentam a distância entre os homens e criam divisões. Jesus nos deu o recado de amor, perdão, generosidade e nos passou a imagem de um Deus Pai. Nós achamos muito difícil e vamos em busca de outras regras que nos dispensem de amar ao inimigo, perdoar sempre, repartir o pão e não julgar.Muito mais fácil acreditar que é o destino, acreditar que teremos infinitas chances e acreditar que Deus é do nosso tamanho. Feliz Ano Novo, com fé e perdão.

  • Dirce Carvalho Leite -CCEPA

    Oi, Dora! Sempre renovado prazer te ouvir ou ler. Teu texto me fez pensar que ele é um brado contra a crueldade, insensatez e ignorância humana. Para além de todas tuas reflexões tão pertinentes, apreciei a importante ideia de pensarmos as dores humanas como necessárias experiências evolutivas, sem a fixação obrigatória na lei de causa e efeito, para mim, herança da velha culpa judáico-cristã, e, como bem disseste, a simplista explicação de sempre. Também reflito que é preciso ir além da dor e pensar que o que fazemos com ela é essencial. Vida e dor caminham juntas, não há como evitar. Descobrir razões para compartilhar essas aprendizagens com todos mergulhados nela,que cruzam nosso caminho, pode fazer toda diferença. Ações amorosas promotoras de oportunidades capazes de auxiliar em todas as formas de libertação é vital. Ultrapassar a perplexidade e a indignação com as dores criadas pelos homens, e ser capaz de agir a partir delas, que é o convite sutil que fazes ao final do teu texto é fundamental. Perplexidade sem ação é absolutamente estéril para os atingidos por elas. De resto, é este o convite da doutrina espírita: estender as mãos, praticar o amor que nos é possível. Obrigada, Dora!

  • Abel Sidney

    Grato, Dora, por sua maturidade e lucidez, pela partilha de suas reflexões, tão bem escritas e sentidas. Sigamos avante, resistindo, ajuntados no bem!

Deixe uma resposta para Herbert Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: