O mundo precisa de mães!

Imagem

Vou começar a minha reflexão do dia das mães, sobre maternidade e maternagem, relembrando a minha própria mãe. Quando ela se foi, eu tinha 34 anos. Ela era uma grande parceira intelectual, uma mãe presentíssima. Compartilhávamos conversas, ideias, ideais, livros lidos, projetos a realizar. Apesar dessa ligação muito “cabeça” que tínhamos, quero lembrar de um fato aqui que me introduz no tema de hoje. Até um mês antes de ir para o hospital, onde faleceu dois meses depois, com câncer de pâncreas, ela diariamente arrumava minha cama. Não que fosse uma mãe essencialmente doméstica: fazíamos os serviços de casa em parceria, tínhamos uma pessoa que nos ajudava, a Maria, que depois veio a se tornar para mim uma segunda mãe. Minha mãe estudava, trabalhava, mas sabia que eu detestava arrumar a cama (coisa de que até hoje não gosto) e ela nunca falhava em me oferecer esse gesto de carinho diário.

Hoje tenho ouvido relatos de educadores e diretores, de escolas públicas e particulares, de crianças pequenas que chegam pela manhã na creche ou jardim da infância de período integral, com a mesma fralda com que foram para casa, no dia anterior.

Um documentário, como Muito além do peso (disponível gratuitamente no Youtube) mostra mães (e pais) totalmente impotentes e perplexos diante de filhos pequenos com hipertensão, diabetes, triglicérides e colesterol alto, por uma alimentação de nuggets, salgadinhos, batatas fritas e toneladas de açúcar… Crianças que não sabem o nome de nenhum legume e nenhuma fruta, que são viciadas em coca-cola e bolachas recheadas.

Esses são apenas algumas citações (cada uma das quais mereceria um artigo específico), para demonstrar como a nossa sociedade está negligente, incompetente e omissa em relação às crianças. E depois querem puni-las por desrespeito, querem reduzir a maioridade penal, querem impor limites e castigos…

O que está faltando hoje em muitos lares (de todas as classes sociais) é o que Winnicott chamou de “maternagem”, aqueles cuidados básicos, essenciais, necessários, que toda criança tem que receber. A criança, principalmente nos seus primeiros anos de vida, tem necessidade de total devotamento, cuidados plenos, amor incondicional. Depois desse primeiro período, que vai até pelo menos 2 anos, ela ainda precisa continuar a receber cuidados, ternura, presença atenta, embora já inicie seu processo de separação da mãe, de autonomia e de construção de sua identidade.

Embora a Psicologia nos ensine que se a maternagem não ceder à independência da criança no momento certo, o amor materno pode se tornar opressivo e prejudicial ao desenvolvimento do ser humano, ela também nos mostra que a negligência, o abandono e o não-preenchimento desses cuidados básicos, que incluem afetividade e acolhimento, colo e carinho, podem gerar lacunas psíquicas, que mais tarde poderão gerar graves distúrbios mentais.

O termo maternagem – que são esses cuidados maternos que toda mãe deveria dar, mas nem sempre dá, e que outra pessoa, que não seja a mãe, também pode oferecer – na Psicanálise, refere-se também aos cuidados que o terapeuta pode prestar ao seu paciente, de certa forma resgatando a maternagem que o indivíduo deveria ter recebido na infância.

Podemos ampliar ainda mais essa palavra e afirmar que todos nós em alguns momentos na vida, precisaremos de maternagem, mesmo quando já nos sentimos adultos e maduros. A nossa criança interna, carente e frágil, pode vir à tona e precisar de um colo materno e fraterno, para nos acalentar. Por outro lado, todos podemos também oferecer maternagem aos que estão à nossa volta, preocupando-nos com o bem-estar físico, psíquico e emocional do outro.

Quando a sociedade desnatura a mãe

A maternidade é um dado biológico, uma vinculação dada pela gestação, que pode continuar a se manifestar ou não em forma de maternagem. Uma mãe que abandona o filho não pratica a maternagem. Ela pode transferi-la para outra pessoa, no caso de uma adoção, ou emprestá-la ou ainda partilhá-la, no caso de entregar o filho a uma babá ou a uma creche (onde atualmente quase que se proíbe a maternagem, como se professoras de crianças pequenas tivessem de ser apenas “professoras”, quando toda criança pequena precisa o tempo todo de cuidados maternos). O pai também pode e até deve exercer a maternagem.

O que se dá é que em nossa sociedade, esfriada, individualista, competitiva, desumanizada, as pessoas estão desaprendendo de serem maternas. Porque todos devem ser “produtivos” no sentido econômico do termo. Não podemos nos dar ao luxo de cuidar de alguém, seja uma criança, seja um doente, seja um idoso. Temos todos, homens e mulheres, de trabalhar o tempo inteiro para “ganharmos a vida” e assim vamos perdendo a vida, esvaziando-a de carinho, de afeto e de cuidados mútuos.

Está certo que a Psicanálise desencantou as mães, mostrando-as como possíveis responsáveis por neuroses e psicoses, devido ao apego excessivo, ao devotamento doentio; é certo que a mulher saiu para o mercado de trabalho e não pode recuar da vida no mundo, dando sua contribuição para a sociedade; é certo que não podemos mais idealizar a mãe como sendo sempre um modelo de renúncia e abnegação – mas precisamos sim de sentimentos maternos para vivermos em sociedade de forma saudável, amorosa e plena.

Lembro aqui do amorosíssimo Francisco de Assis, que dizia aos seus companheiros, que eles se cuidassem mutuamente como mães… Lembro de Pestalozzi, o grande educador que tratou pela primeira vez da necessidade do afeto na educação e seus biógrafos reconheceram nele “um grande coração maternal”. Lembro de todas as mães, do decorrer dos milênios e ainda hoje, perdidas na multidão, que não saem nas matérias da Revista Veja, sobre executivas bem-sucedidas, que parecem mulheres despersonalizadas de seu estatuto feminino – lembro de todas as mulheres – dizia – que abriram caminhos para que seus filhos crescessem fortes, saudáveis e pessoas de bem, pelo amor com que se dedicaram a eles, pelo devotamento de sua presença… e lembro de minha mãe, que intelectualizada, parceira de livros e ideias, e que não suportava a idealização de uma “santa mãezinha”, não deixava de arrumar minha cama e de cuidar de nosso bem-estar psíquico e físico, de que, sabemos, as verdadeiras mães continuam a cuidar, mesmo do outro lado da vida…

O toque materno, a ternura, a preocupação com o outro é que arranca a vida da aridez e do vazio. Quem teve o privilégio de receber esses cuidados de sua mãe biológica, tanto melhor. Quem teve a sorte de ser “maternado” por outras pessoas, em sua infância, adolescência ou encontrar compensações maternas em suas relações atuais, ótimo. O que não podemos é passarmos a vida sem nenhum tipo de doçura materna, sem nenhum colo que nos aconchegue a alma.

Não é à toa que Maria, mãe de Jesus, é venerada em todos os cantos do planeta. Ela representa espiritualmente esse colo sagrado, acolhedor e pleno, no qual nos sentimos crianças de novo e seguros de uma proteção confortadora.

Mas também devemos ter consciência de que amadurecer, crescer, emancipar-se psiquicamente e espiritualmente, é sermos capazes por nossa vez de oferecer colos, de ofertar cuidados maternos e de sermos ternura no caminho de alguém.

Anúncios

11 respostas para “O mundo precisa de mães!

  • Deise Toledo Carrijo

    Oi Dora,
    Obrigada pelo maravilhoso texto de conteúdo profundo!
    beijos

  • Marta

    Lindo texto, minha mãe não e nenhuma intelectual, não tem estudo, mal completou e segundo ano primário, mais sempre se dedicou aos seus cinco filhos com toda a maternagem, sempre se dedicou com tudo o amor, mesmo nas horas das broncas e sempre esteve atenta a qualquer mudança de comportamento de seus filhos. Acho que hoje precisamos mesmo e de mais amor.

  • Andréa Pires dos Reis

    Lindo o texto!

  • Regina Seixas

    Regina Seixas
    Excelente reflexão. Quando a sociedade vai perceber que amar é educar? E que a educação começa no lar e continua sempre no lar.
    Na escola a criança e o jovem praticam o que aprendeu no lar.
    Na sociedade o adulto pratica o que aprendeu no lar.
    Mães maravilhosas são aquelas que amam educando.
    Obrigada, Dora, pelo excelente texto e mais um alerta a todos.

  • Luzia Helena Juliatti Valle

    Tudo bem, Dora? Soube essa semana que serei vovó outra vez e vou enviar seu artigo para minha filha Natália. Maravilhoso, pois em poucas linhas tratou de diversas nuances da maternidade atualmente. Obrigada e um feliz domingo, com certeza na companhia de seu papai amigo e dos muitos amigos espirituais. Abraços

  • Adri Salles

    Dora Querida…
    Gratidão por compartilhar esta sua reflexão tão bela e profunda!
    Beijo com afeto em seu coração…
    Adri Salles

  • Alencar Campitelli

    Olá!!Informo que publiquei sua matéria no meu blog:http://conceitoespirita.blogspot.com.br/Abraços!!

  • Lena Gomes

    tão lindo qto. real seu texto. Precisamos mesmo e devemos exercer a maternagem, para ajudar a outras mulheres, que com o amor delicado e dedicado, tudo ficará melhor. Com Amor, por Amor e pelo Amor é que existimos, temos esse sentimento e lembranças tão fortes qto. singelas em nosso ser graças a maternidade de nossas mamães e maternagens tantas recebidas outrora… abço-maternagem.

  • Chalini Fante

    Dora, belo artigo sobre algo que todos nós, sem exceção, deveríamos receber e saber dar, no momento certo. Tenho filhos que vieram para mim e meu marido cada um aos 6 anos e sei bem como a maternagem fez falta a cada um deles, falta que busco todos dias suprir como posso e consigo, com toda base que a doutrina espírita e os ensinamentos de Jesus nos dão. Obrigada!

  • Célia Araujo

    Minha mãe teve 6 filhos, esta com 93 anos, com Alzheimer , e também se dedicou muito aos filhos, netos, com muito amor, carinho. Eu percebo que aprendi muito com ela, mesmo com todas as minhas cobranças, erros e acertos, aprendi a maternar , e me orgulho muito, principalmente quando vejo minha unica filha, de 19 anos a cuidar da avó, com carinho, amor, respeito. Acho que são lições importantes que não ficaram perdidas no tempo, passaram de geração para geração.

  • Tatiana

    Simplesmente o texto mais expressivo que li sobre maternidade..Também tive uma mãe que exerceu a maternagem em tudo que pôde e ainda há de poder, pois hoje se encontra em outro plano.
    Assim como Maria, mãe de todas, ainda sinto o seu olhar.
    Feliz de nós, filhos de ventres completos e complexos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: