Reflexões espíritas sobre a Tragédia de Santa Maria

Imagem

A tragédia de Santa Maria me leva a algumas reflexões que considero importantes para o movimento espírita.

Recentemente participei de uma banca de doutorado na Universidade Metodista, em que o pesquisador José Carlos Rodrigues, examinou em ampla investigação de campo quais os principais motivos de “conversão”, eu diria, “migração” para o espiritismo, no Brasil. Ganhou disparado a “resposta racional” que a doutrina oferece para os problemas existenciais.

De fato, essa é grande novidade do espiritismo no domínio da espiritualidade: introduzir um parâmetro de racionalidade e distanciar-se dos mistérios insondáveis, que as religiões sempre mantiveram intactos e impenetráveis, sobretudo o mistério da morte.

Entretanto, essa racionalidade, que era realmente a proposta de Kardec, tem sido barateada em nosso meio, como tudo o mais, para tornar-se uma cartilha de respostinhas simples, fechadas e dogmáticas, que os adeptos retiram das mangas sempre que necessário, de maneira triunfante e apressada, muitas vezes, sem respeito pela dor do próximo e sem respeito pelas convicções do outro. Explico-me.

Por exemplo: existe na Filosofia espírita uma leitura de mundo de “causa e efeito”, que traduziram como “lei do karma”, conceito que vem do hinduísmo. Essa ideia é de que nossas ações presentes geram resultados, que colheremos mais adiante ou que nossas dores presentes podem ser explicadas à luz de nossas ações passadas. Mas há muitas variáveis nesse processo: por exemplo, estamos sempre agindo e portanto, sempre temos o poder de modificar efeitos do passado; as dores nem sempre são efeitos do passado, mas sempre são motivos de aprendizado. O sofrimento no mundo resulta das mais variadas causas: má organização social, egoísmo humano, imprevidência… Estamos num mundo de precário grau evolutivo, onde a dor é nossa mestra, companheira e o que muitas vezes entendemos como “punição” é aprendizado de evolução.

O assunto é complexo e pretendo escrever mais profundamente sobre isso. Aqui, apenas gostaria de afirmar que nós espíritas, temos sim algumas respostas racionais, mas elas são genéricas e não podem servir como camisas de força para toda a realidade. Que respostas baseadas em evidências e pesquisas temos, por exemplo, para essas famílias enlutadas com a tragédia de Santa Maria?

• que a morte não existe e que esses jovens continuam a viver e que poderão mais dia, menos dia, dar notícias de suas condições;

• que a morte traumática deixa marcas para quem fica e para quem foi e que todos precisam de amparo e oração;

• que o sofrimento deve ter algum significado existencial, que cada um precisa descobrir e transformá-lo em motivo de ascensão…

• que a fé, o contato com a Espiritualidade, seja ela qual for, dá forças ao indivíduo, para superar um trauma dessa magnitude.

 

Não podemos afirmar por que esses jovens morreram. Não devemos oferecer uma explicação pronta, acabada, porque não temos esses dados. Os espíritas devem se conformar com essa impotência momentânea: não alcançamos todas as variáveis de um fato como esse, para podermos oferecer uma explicação definitiva. Havia processos da lei de causa e efeito? Provavelmente sim. Houve falha humana, na segurança? Certamente sim. Qual o significado que essa tragédia terá? Cada pai, cada mãe, cada familiar, cada pessoa envolvida deverá achar o seu significado. Alguns talvez terão notícias de algum evento passado que terá desembocado nesse drama; outros extrairão dessa dor, um motivo de luta para mais segurança em locais de lazer; outros acharão novos valores e farão de seu sofrimento uma bandeira para ajudar outros que estejam no mesmo sofrimento e assim por diante.

Oremos por essas pessoas, ofereçamos nossas melhores vibrações para os que foram e para os que ficaram e ainda para os que se fizeram de alguma forma responsáveis por esse evento trágico. Mas tenhamos delicadeza ao tratar da dor do próximo! Não ofereçamos respostas fechadas, apressadas, categóricas, deterministas. Ofereçamos amor, respeito e àqueles que quiserem, um estudo aberto e não dogmático, da filosofia espírita.

 

Anúncios

123 respostas para “Reflexões espíritas sobre a Tragédia de Santa Maria

  • Vilma

    Adorei sua reflexão. O que tem me afastado das casas espíritas, mas não da doutrina, é justamente é resposta certa prá tudo, quando ainda detemos muito pouco do conhecimento das leis divinas. bj.

    • Walter Mendes

      Realmente Vilma! Isso acontece demais! Temos que filtrar as mensagens porque muitos médiuns são influenciados pelo animismo e dão respostas que na verdade vem dele mesmo! Mesmo que não perceba!

  • Renato Andrioli

    É verdade Dora Incontri!

    Também tenho essa crítica ao movimento espírita. (ao qual pertenço)

    Queremos ser racionais, aí tomamos os que está escrito como resposta pronta sem refletir a respeito.

    E não poderia concordar mais com ‘as respostas baseadas em evidências’ que você escreveu para responder sobre o que aconteceu às famílias das vítimas da tragédia de Santa Maria.

    São respeitosas, baseadas em evidências e não ferem a crença religiosa de ninguém. E o mais importante. Reconfortam, acolhem, acariciam por meio da reflexão.

  • VITOR HUGO

    GOSTEI DE SUAS REFLEXÕES,BEM INTEGRADAS NOS ENSINOS DA DE CODIFICADA POR AK. ABRAÇOS. VITOR HUGO.

  • Mariluce Muniz Malú

    Bastante esclarecedor Dora, e tbm um relato equilibrado ao bom senso. Sou Espírita e me considero uma estudante da doutrina e uma seguidora de Jesus, por isso temos que ter muito cuidado, ao tentar justificar uma situação. Oremos por todos sempre, oremos pela PAZ!

  • Maria Elisabeth Sorrentino

    Texto extremamente oportuno!

  • Tania Aparecida de Souza

    Adorei o texto, inclusive porque reflete o pensamento kardecista, sem misticismos, fórmulas prontas. Real.

  • Marcus Cesar Ferreira Mcf

    Doutora, reflexão excelente e pragmático, simples no entendimento mas profundo e humano. É Ciência com Amor somando em nossa evolução social e holístico. Luz e Amor no teu coração e mente! Meu respeito. MCF.’.

  • Márcia Augusto Barroso

    Dora Incontri sempre pontual e perfeita! Fruto de alguém que estuda a Doutrina Espírita e se expressa francamente e com sabedoria. Parabéns por sua clareza de raciocínio, alcançada por esforço pessoal!

  • Valéria Gazzara

    Dora, brilhante, lúcido e como sempre instrutivo.

    grande beijo e como você, que tenhamos clareza em um momento tão delicado.

  • zilma ribeiro santiago valença

    Extremamente importante que essa ideia seja difundida…antes de sai por ai dizendo que é castigo, expiação ou resgate ESTUDEMOS, REFLITAMOS

  • André Tokumi

    Parabéns pelo texto. Os que buscam respostas fechadas, apressadas e dogmáticas também foram buscá-las em Jesus no episódio da queda da Torre de Siloé, narrada em Lucas 13, onde 18 pessoas morreram. E a sua resposta como sempre, foi magistral.

  • Nelsinéa Dunley Nogueira Rocha

    Perspectiva sensata e uma excelente análise crítica do prejuízo que explicações infundadas ou impensadas podem causas às pessoas

  • laura martins

    Muito bom, Dora. Este texto precisava ser escrito!

  • Maria de Sousa Ribeiro

    Dora. Mais uma vez concordo em n°, gênero e grau com você. Análise inteligente, sensata e confortadora.

  • Conceição

    Sábia análise da Dora Incontri. Não vejo necessidade de buscarmos respostas prontas para fatos e acontecimentos, basta lembrarmos que existe um Deus magnânimo e justo cujas leis são, também, justas e que cada um tem aquilo que merece, portanto, não há injustiças e para tudo tem uma explicação e por isso não temos o direito de saber o passado de cada ser, o que fizemos nesta ou noutra só a cada um diz respeito. Estes jovens não partiram impunemente é o que entendemos. O nosso dever é pedir a Deus por cada um dos que partiram e para os que ficaram. Oremos por eles.

  • Carine Helena Medeiros

    Um pouco de sensatez diante de tanto sofrimento.

  • Cristiane Oliveira Marcondes Ferreira

    Mesmo que seja difícil devemos acreditar no amor que DEUS tem pelo seu povo aqui na terra.

  • luciano mota

    Quem não aceita a vida como ela é, sofre mais… Nem sempre o conhecimento de questões metafísicas apaga o sofrimento, salvo aqueles que tem fé em Deus e se entregam a ele.

  • Syl Signoretti

    Comungo de suas idéias e neste momento o melhor a fazer é elevarmos nosso pensamento à Jesus, pois só ele pode nos AMPARAR, lembrando dá máxima de Cristo: “A cada um segundo suas obras”., a Jusitça Divina se encarrega de todos nós, devemos seguir com esperanças e Fé renovada. Um abraço pra vc! Syl Signoretti

  • Luzdalma Paiva

    A beleza do Espiritismo não está na explicação, mas na compreensão dos fatos, na ajuda, na educação, enfim, na busca da SUA melhora que refletirá no próximo. Parabéns Dora!

  • Edson Pimentel

    PENSO QUE NESSE EXATA MOMENTO SO NOS CABE ORAR PELAS ALMAS DOS QUE SE FORAM E PELAS FAMÍLIAS SOFRIADAS COM O EPISÓDIO TRÁGIDO….

  • Mary Lúcia

    Compreensão… maturidade e aceitação. Isso é tudo.

  • SILVANA VENTURA

    Muito lúcida e coerente essa análise sobre as mortes coletivas, em especial, a de Santa Maria. Neste momento, precisamos ter cuidado ao abordar e opinar sobre o assunto, visto que a dor é grande e a busca por respostas infindáveis. Respeitar a dor alheia é a melhor demonstração de amor. Abraços, Silvana

  • Roseli Marques shigematsu

    Querida Dora,

    Diante de tanta dor um sopro de esperança diante das considerações que você traz à público.Que sirva de elevação espiritual para todos nós.Obrigada.

  • leilakalomi

    Reblogged this on Num Boteco Qualquer No Planeta Denebe comentado:
    Gostei muito e reproduzo aqui.

  • Selma Carvalho

    Gostei muito da reflexão. No momento só podemos orar por todos os atingidos.

  • Nilton Salvador

    Muito agradecido pelo seu texto que transmite alívio e amparo professora Dora.

    Luz e Paz

  • Leandro Piazzon

    Muito colocado Dora. Os “respondedores” de plantão sempre atacam em momentos como esse. Não me espantaria que algumas casas começassem a receber psicografias aos montes e saírem por ai falando os motivos de tal tragédia. Mesmo Chico Xavier, um médium fiel e de extrema confiança, toma cuidados ao falar em momento como esse. Parabéns Dora.

  • Dani

    Gostei muito do texto. Perdi um familiar em um desses acidentes que comevou o mundo e ouvi muitas barbaridades a respeito do motivo da morte. Por estudar a doutrina há muitos anos, soube separar os fatos, porém sempre causa um mal estar pela falta de sensibilidade de algumas pessoas.

  • Ivan Franzolim

    Dora, excelentes considerações. Permanecemos com o “bom senso encarnado”.

  • Renata D Carpe

    Não nos esqueçamos, porém, de que nunca estamos sem a presença de Misericórdia Divina junto às ocorrências da Divina Justiça, que o sofrimento é invariavelmente reduzido ao mínimo para cada um de nós, que tudo se renova para o bem de todos e que Deus nos concede sempre o melhor.

  • Laine

    Poucos de nós, espíritas, nos colocamos verdadeiramente no lugar do outro, por isso as respostas prontas. Compaixão é fundamental, porque apesar de tudo o que sabemos, a separação, mesmo que momentânea, dói e muito.

  • Aparecida`Ávila de Souza

    Refletir se faz necessario, também já senti essa dor da partida,do meu filho querido aos 27 anos ,num terrivel acidente de carro, estudando a doutrina, pude compreender a lei de ação e reação.

  • Catia

    Dora, você fez uma reflexão muito cuidadosa, o que agradeço, visto que muitas pessoas ditas Espíritas agem como se fossem adivinhas, com uma pitada de “donas da verdade”, como oráculos detentoras do conhecimento da lei do “karma”, onde a vítima de hoje sempre fosse o carrasco purgando seus “pecados” do passado. O Espiritismo é esclarecedor sim e a lei de causa e efeito é um fato independente da doutrina, só que ainda estamos aprendendo que esta lei não tem como fim a punição, mas sim o aprendizado.
    Devemos lembrar que enquanto ainda justificarmos os efeitos de hoje com as causas da vida passada, será mais difícil cuidar de sermos melhores nesta vida e daquilo que poderíamos evitar pelo amor. Por que? Porque sempre haverá uma justificativa que não depende de nós hoje, afinal estamos “pagando” pelos erros cometidos no passado, que não nos recordamos e que, se não nos autoconhecermos, pouco saberemos como atuar para modificar nossas vicissitudes. Se continuarmos pensando assim, de nada adiantaria a boate estar dentro das normas, o local não estar superlotado, os seguranças liberarem a saída prontamente, tudo isso simplesmente faria parte do inevitável, já que fazia parte do “combinado”, o que é contraditório à lei do livre-arbitrio, que tanto acreditamos, e também da nossa busca pela reforma íntima, que tanto precisamos.
    Abs,

  • Rita Ítala Guarany

    Dora, ótimo texto para explicar melhor a postura espírita, inclusive para espíritas!
    bjks
    \o/
    Rita

  • Lucy carvalho

    Embora continue estudando por muito tempo a doutrina espírita, jamais aceitei as respostas drásticas que ouvia, quando alguma coisa acontecia, tipo: tinha de acontecer. As leis divinas existem, sabemos, mas ninguém tem o direito de formular respostas através de julgamentos errõneos.

  • Valéria

    Execelentes reflexões Dora.
    Conheço mais de uma pessoa que se queixa das respostas prontas dos espíritas, e dos religiosos em geral. Uma conhecida, atéia, que perdeu o marido de forma repentina (teve um ataque epilético e um infarto ao mesmo tempo) conta que se revoltava quando pessoas religiosas vinham dizer a ela coisas como: “pense pelo lado bom, pelo menos ele não sofreu”, ou as mais comuns dos espíritas: “ele devia ter algum karma a resgatar, se morreu é porque já resgatou”, “algum motivo teve pra ele morrer assim”, “não chore, isso faz mal para o espírito dele”.
    às vezes pessoas religiosas, e mesmo espíritas, em sua ânsia de ajudar acabam causando mais sofrimento.
    Se não souber o que falar é melhor abraçar em silêncio e fazer uma oração mental.

  • lucilia maria oliva pacheco

    Texto altamente oportuno.Sou de uma familia espirita e estudiosa de Allan Kardec.Gostaria de receber sempre coisas tão profundas e importantes.

  • selma da cunha

    Quando acontece uma tragédia sempre tentamos dar um explicação e a indignação leva-nos muitas vezes, a acusação irrefletida, mas lembremos que nada acontece sem a permissão de Deus e que Ele é justo e misericordioso. Vibrações de Amor para todos os envolvidos.
    Obrigada pela reflexão simples e clara.

  • Geraldo André Raddatz

    Muito bom o seu artigo, lúcido e coerente………agradeço. Santa Maria / RS

  • Ruy

    Sempre bom encontrar esta sua força e sensibilidade colocando as coisas no seu lugar, às vezes com veemência, sempre com amor. Muito oportunas e mais d que necessárias reflexões, já que logo veremos notícias pífias aplicando a “lei decausa e efeito” à moda de Talião. Beijos a você e a todos.

  • ANTONIO TEIXEIRA

    REALMENTE É UM ASSUNTO QUE ATÉ HOJE, A HUMANIDADE AINDA NÃO ADQUIRIU CONSCIENCIA PLENA. O QUE RESTA NESSA TEMPESTADE? DEDICARMOS OS NOSSOS TRABALHOS PARA TODOS ÊLES QUE DESENGARNARAM, POIS COM CERTEZA AS NOSSAS VIBRAÇÕES PODERÃO CHEGAR ATÉ A ÊLES. ENTRETANTO COM CERTEZA O NOSSO GRANDE ANDRÉ LUIZ, JÁ ACOLHEU A MAIOR PARTE. A CONFUSÃO É TENTAR CONSCIENTIZA-LOS DO DESERCARNE. SENHORES IRMÃOS GAÚCHOS, VAMOS AO ENCONTRO DESSES FAMÍLIARES? CORAGEM!!!

  • Maria Celeste

    Aconteceu, e no momento da dor nem sempre a reflexão vem de imediato, mas depois de algum tempo percebemos que a dor foi necessária. Só temos que agradecer aos mártires que sofrem evitando sofrimentos futuros, infelizmente a dor as vezes é necessária para que possamos aprender. Que sejam abençoadas todas as vítimas da tragédia, as que não estão mais entre nós e as que ainda estão.

  • Edna Nunes Goncalves

    Muito esclarecedor este texto…Parabéns pela iniciativa, pela sua atitude

  • Guilherme Dias

    “Não julgueis para não serdes julgados” Enquanto falam o que é certo, o que é doutrinário ou não, o mal cresce. O mal é ausência do bem e resaltar os defeitos alheios também é falta de caridade. Afastar-se de casa espirita por esse ou aquele motivo, porque um ou outro orador ou alguém que nem responde pela doutrina falou ou deixou de falar, é por puro comodismo separatista. O que mais me encanta na Doutrina Espirita, é o bom senso e o respeito por todas as opiniões e religiões.Concordo com Dora quando fala da falta de sensibilidade das pessoas principalmente no que se refere a uma fatalidade, buscando encontrar respostas por vidas passadas ou por expiações ou provas fazendo especulações sem notar a dor de centenas de pessoas; Temos que ter cuidado com o que pensamos, pois serão nossas palavras e cuidado com nossas palavras pois se tornarão nossos atos.A Doutrina ensina humildade, caridade indulgência paara com as imperfeições alheias e perdão das ofensas.O Espiritismo será o que os espiritas fizerem dele. Sem orgulho, sem vaidade mas observância na fala, porque o que dissermos pode alterar uma tragetória inteira de uma encarnação, atrazando o progresso de sei lá quantas almas que poderiam estar melhores e mais consoladas.O Espiritismo é o CONSOLADOR PROMETIDO, e temos que fazer prevalecer a vontade do Cristo pois sem AMOR NADA SEREMOS.
    grande abraço do Irmão menor em Cristo. Guilherme Dias

  • lila lux

    Penso que sempre haverá com relação as obras de Allan Kardec, mestres,filósofos, bispos, padres,enfim uma gama de pessoas que dirão, coisas para confundir sem muita explicação. Para mim oque vale é a mensagem, limpa e de fácil entendimento. Sigo o que o mestre disse, e me fez uma pessoa melhor, e não acho que as respostas sejam drásticas, e sim cada pessoa entende à sua maneira.

  • Wellington Furlani

    Ótimo texto. Muito coerente e esclarecedor. Obrigado.

  • RONI SIMÃO

    A racionalidade do espiritismo nunca pode se afastar do sentimento que é marca registrada do ser humano. Seja raiva, tristeza, dor, mágoas ou qualquer outro sentimento, é válido. O bom espírita não se afasta de Kardec e os fundamentos básicos da doutrina são invioláveis. Não digo karma e sim as leis divinas são consequencia direta de nossas responsabilidades e não culpas. Podemos pagar os nossos erros da forma que nossa consciência considera o compromisso satisfatoriamente pago. Para o espírito não existe dor, porque o que sofre é o ego, nosso eu inferior, infantil que precisa ser combatido. Oremos pelos espíritos que passaram por essa experiência, sem nos apegarmos ao sofrimento passageiro que na eternidade não terá marcas profundas. Crescimento contínuo e muito amor aos bons amigos espíritas.

  • Jaime Khoury

    Maravilhoso texto!! Parabéns pelas lúcidas reflexões. Abraços.

  • Eliana

    Muito sensata e ponderada! Acima de tudo absolutamente coerente com a doutrina espírita. Adorei o texto.

  • Felipe

    Foi de fundamental importância a explanação,para que possamos refletir sobre o quem vem sendo espalhado sem o minimo respaldo como coisas genéricas que fazem o espiritismo perder a credibilidade,continue nesse trabalho maravilhoso que perpetua a coerência das idéias espiritas,
    Parabéns!!!

  • Jose

    Excelente reflexão e muito realista quanto ao entendimento da filosofia e atitudes.
    Sou ecumênico e acredito que quanto mais buscamos saber, mais descobrimos que não sabemos nada. Esta é a razão da vida que esta em evolução sempre. Se fosse para sabermos tudo não precisaríamos de aprendizado, crescimento etc. O próprio Rei Salomão que pediu sabedoria e a Bíblia nos informa ter sido muito sábio, no final de sua vida, não aguentava mais ser sozinho, ou seja, rodeado de pessoas, escravos, funcionários, familiares, mas sem ninguém com o mesmo entendimento e conhecimento do mundo físico. Faça um exercício, pense em você sozinho no universo caminhando entre os planetas. Quanto tempo aguentaria ficar sem conversar com alguém, interagir em publico.
    Pense nisso, você é capaz de suportar o universo?
    Paz e Luz a todos!

  • ARI RANGEL

    Concordo com a Dora em não buscarmos respostas mecânicas, mas uma mensagem de Emmanuel nos remete a muitas reflexões em torno deste triste episódio:
    Desencarnações Coletivas (Emmanuel) –
    Sendo Deus a Bondade Infinita, por que permite a morte aflitiva de tantas pessoas enclausuradas e indefesas, como nos casos dos grandes incêndios?
    (Pergunta endereçada a Emmanuel por algumas dezenas de pessoas em reunião pública, na noite de 23-2-1972, em Uberaba, Minas).
    RESPOSTA:
    Realmente reconhecemos em Deus o Perfeito Amor aliado à Justiça Perfeita. E o Homem, filho de Deus, crescendo em amor, traz consigo a Justiça imanente, convertendo-se, em razão disso, em qualquer situação, no mais severo julgador de si próprio.
    Quando retornamos da Terra para o Mundo Espiritual, conscientizados nas responsabilidades próprias, operamos o levantamento dos nossos débitos passados e rogamos os meios precisos a fim de resgatá-los devidamente.
    É assim que, muitas vezes, renascemos no Planeta em grupos compromissados para a redenção múltipla.
    ***
    Invasores ilaqueados pela própria ambição, que esmagávamos coletividades na volúpia do saque, tornamos à Terra com encargos diferentes, mas em regime de encontro marcado para a desencarnação conjunta em acidentes públicos.
    Exploradores da comunidade, quando lhe exauríamos as forças em proveito pessoal, pedimos a volta ao corpo denso para facearmos unidos o ápice de epidemias arrasadoras.
    Promotores de guerras manejadas para assalto e crueldade pela megalomania do ouro e do poder, em nos fortalecendo para a regeneração, pleiteamos o Plano Físico a fim de sofrermos a morte de partilha, aparentemente imerecida, em acontecimentos de
    sangue e lágrimas.
    Corsários que ateávamos fogo a embarcações e cidade na conquista de presas fáceis, em nos observando no Além com os problemas da culpa, solicitamos o retorno à Terra para a desencarnação coletiva em dolorosos incêndios, inexplicáveis sem a reencarnação.
    ***
    Criamos a culpa e nós mesmos engenhamos os processos destinados a extinguir-lhe as conseqüências. E a Sabedoria Divina se vale dos nossos esforços e tarefas de resgate e reajuste a fim de induzir-nos a estudos e progressos sempre mais amplos no que diga respeito à nossa própria segurança.
    É por este motivo que, de todas as calamidades terrestres, o Homem se retira com mais experiência e mais luz no cérebro e no coração, para defender-se e valorizar a vida.
    ***
    Lamentemos sem desespero, quantos se fizerem vítimas de desastres que nos confrangem a alma. A dor de todos eles é a nossa dor. Os problemas com que se defrontaram são igualmente nossos.
    Não nos esqueçamos, porém, de que nunca estamos sem a presença de Misericórdia Divina junto às ocorrências da Divina Justiça, que o sofrimento é invariavelmente reduzido ao mínimo para cada um de nós, que tudo se renova para o bem de todos e que Deus nos concede sempre o melhor.

    Transcrito do livro: XAVIER, Francisco C. Autores diversos. Chico Xavier pede licença. S.Bernardo do Campo: Ed. GEEM. Cap. 19

  • REFLEXÕES ESPÍRITAS SOBRE A TRAGÉDIA DE SANTA MARIA « Blog do Dirceu Rabelo

    […] Fonte: https://doraincontri.com/2013/01/28/reflexoes-espiritas-sobre-a-trag… […]

  • Maria Lúcia Braga

    Nenhuma mãe, em um momento de profundo sofrimento como este, quer ouvir que seu filho devia ter dívidas passadas que o levaram a essa morte precoce e de tanto sofrimento. Ou que, certamente, todos aqueles que ali perderam as suas vidas deviam ter débitos cármicos comuns (quem sabe queimaram muita gente na Inquisição?) Em todas as tragédias coletivas, colocações desse tipo refletem a imagem de um Deus frio e calculista, que se daria ao trabalho de, por diversos meios, em relação àquelas pessoas que tivessem um passado em comum de eventos que causaram grandes sofrimentos, colocá-las todas no mesmo local e hora, para sofrerem coletivamente de uma tragédia. Esse modo de agir reflete a nossa mente humana, nunca a do Pai de Amor Incondicional, Eterno, Infinito, algo que sequer sabemos realmente o que signifique. Nada sabemos! O nosso papel no mundo é apenas seguir o exemplo de Cristo, dentro das nossas infinitas limitações. Quem oferece a outra face? Quem ama os inimigos? Quem está disposto a tudo abandonar, a repartir seus bens e deixá-los para trás para seguir-lhe o exemplo? Todo o aprendizado ainda está por ser feito, mas nós nos achamos em condições de falar aos outros sobre o certo e o errado! Apenas amemos, ofereçamos o melhor de nós, nos compadeçamos, nos doemos, aceitemos cada um como ele é, pois todos são igualmente filhos do mesmo Pai, independentemente do que tenham feito, e não cabe a nós julgá-los e apontar-lhes os erros. ELE pediu que apenas amássemos uns aos outros como nos amamos. Mas quem coloca o interesse de um estranho no mesmo nível do próprio? É risível que fiquemos aqui tentando dar lições sobre o que acontece na vida dos outros. Primeiro, aprendamos realmente a não julgar, não criticar, não invejar, não desejar mal a ninguém, por maior que seja a nossa raiva. Não temos domínio sobre nós e achamos que sabemos o que o outro deve fazer. Triste, profundamente triste a condição do ser humano!

  • Marilene Dantas

    Dora.A melhor resposta que li sobre este epsódio de uma espirita. Valeu mesmo! É um momento de reavaliação do verdadeiro conceito do pensamento espirita. Aquele que Allan Kardec nos deixa como exemplo de conhecimento.Infelismente ainda vive nos corredores das cabeças não pensantes espiritas, de ler o livro sem entendimento. Estamos com muitos adptos difundindo sobre uma ilusão sem se aprofundar no livro de cabeceira chamado “O Evangelho”. O verdadeiro espirita deveria se espelhar nos ensinamentos contidos ali, antes de fazer propagação cientifica espirituais neste momento, em que aquele jovens que desencarnaram, e os seus familiares que aqui permanecem na jornada terrena, precisam neste momento é de uma forte corrente de vibrações de nossa parte.De que adianta correntes espiritas e epiritualistas querer provar por A+B os porquês dos desencarnes coletivos? Neste momento que assola as dores fisicas e espirituais dessas familias, sabemos que as correntes de todas as esferas estão presentes, tanto no resgate como no conforto fisico dos que ficaram. Prece e vibrações de amor e luz é tudo que o verdadeiro espiríta pode e deve fazer neste momento.Explicações sobre a visão espirita sobre desencarne coletivos, não vai resolver as dores dessas familias.Que possamos aprender com esta tragedia um pouco mais sobre o sentido das nossas vidas.O que estamos realmente fazendo para mudar o rumo da nossa estadia neste mundo de expiação.Sigamos os conselhos de Emmannuel que fez a Chico. Equilibrio, equilibrio e tudo mais: equilibrio. Principio básico do verdadeiro espiríta. Muito mais equilibrio no entendimento de quem propaga a doutrina Espiríta.
    Marilene Dantas

  • Maria Cristina Alquezar Serafim

    Dora, vc lavou minha alma!!! Muito grata por verbalizar muito daquilo que acredito e que me incomoda profundamente em certos meios espíritas. Ontem mesmo li um texto espírita no facebook que se revelou um absurdo de tanta insensibilidade. O seu foi um bálsamo! Que o Grande Mistério do Universo possa inspirá-la ainda mais. Estaremos atentos. Grande abraço.

  • Marcia

    Excelente texto e reflexão! Tenho o mesmo pensamento, de que devemos sempre ter o cuidado antes de oferecer respostas, ainda mais em uma ocasião como esta. Bom ler algo sensato e coerente no meio de tantas baboseiras…

  • Igor

    “se os desastres são os mesmos para todos, a “morte” é diferente para cada um”.

  • Maria Perez

    Dora…obrigada pelas palavras tão lúcidas….

    É difícil para quem não conhece os princípios básicos da Doutrina entenderem que a tragédia que vitimou seus entes queridos é um reajuste deles a vida, e se torna muito mais difícil quando no próprio meio espírita começam a pulular idéias comparativas com este ou aquele caso, foram inquisidores? Guardas nas câmaras de gás? Levaram cristãos a morte?

    Quando apoiamos iniciativas assim começamos a nos tornar mistificadores nos igualando aos irmãos evangélicos que vêm o mal em tudo, sabemos que sim há um reajuste, mas será que cabe a nós saber as nuances do caso? Cadê a caridade?

    Seria muito mais bonito de nossa parte, nos unirmos sem alarde a Espiritualidade que com certeza ainda deve está nos esforços desde a madrugada do dia da tragédia afim de liberarem os recém encarnados de seus despojos carnais e não fazermos especulações a acerca de quem era ou o que fizeram.

    Caridades irmãos….Caridade…

  • Andre Lima teixeira silva

    Aprendemos por amor e pela dor. nunca deixamos esta vida sem algum melhoramento. a consciencia que temos da vida espiritual é que determinará qual a extensão da dor que nos atingirá. dor é dor em qualquer lugar, mas o que fazemos dela, o tempo que ela vai perdurar, somos nós quem determinamos! que nosso mestre maior,Jesus possa auxiliar à todos que passam por essa transição, e nos apoiar, para que a nossa palavra seja benefica a quem quer que precise! muita paz!!!!

  • Silmara

    Claríssima reflexão. Diante da grandeza da vida, de Deus, dos ensinamentos de Jesus e da Doutrina Espírita, nao podemos formular respostas simples e “prontas”. O que precisamos é abrir nosso coração e amar. Vibrar por esses jovens que partiram e que sobreviveram e por suas famílias. Isso é ser caridoso e amar o próximo.

  • novasticnaeducacao

    Seu texto traz uma mensagem que esclarece e de certa forma consola a todos que nestes momentos dolorosos buscam o entendimento para os fatos, mas também conduz a uma reflexão para os que buscam entender as verdades da “vida”. Obrigada e que Deus a ilumine!.

  • cezar romeo de souza

    Muito lucido.Muito bom esse comentario.

  • Eliana Haddad

    Dora, querida, excelente!!! Parabéns pela reflexão e pelo texto maravilhoso, claro, esclarecedor e consolador com a lógica da razão e do coração que retrata a importância da grande chave de Kardec: a fé raciocinada… Bjs.Adorei!

  • Fernando Barcellos - Leopoldina - MG

    Enfim um artigo prudente acerca da idéia de causa e efeito! Não obstante as distorções doutrinárias propagadas dentro de algumas casas espíritas, temos pessoas com elucidações razoáveis em nosso movimento. Deveras importante ressaltar que devemos ter um maior zelo ao tentarmos explicar um evento de uma forma determinista, pois, ao fazê-lo, deixamos de lado razões filosóficas e métodos científicos para abraçarmos uma motivação de ordem somente religiosa como imperativo categórico, sob a égide de uma lei de causa e efeito, que não nos faz menos fanáticos do que inúmeras outras religiões que se fundamentam em dogmas que desafiam o crivo da razão. Que Nosso Pai conforte o coração daqueles que passaram por essa tragédia.

  • Matilde Alves

    No Evangelho Segundo o Espiritismo aprendemos que nada é por acaso,mas isso não pode ser atribuido a todos acontecimentos de nossas vidas, pois sabemos tb que estamos aqui para reajustes e dentro dos ensinamos do Cristo podemos mudar nossas histórias diante de responsabilidades adquiridas nesta ou em outras vidas.Porém julgamentos do ocorrido em relação aos envolvidos cabe somente ao nosso amado Pai.Portanto é criterioso orarmos para todos e lembrarmos sempre do que disse o transformado Paulo de Tarso ” Posso falar a lingua dos homens e dos anjos, mas sem amor nada serei.”
    Abraços fraternos a todos.

  • Lessa Victor da Silva

    “Muito clara a reflexão de Dra. Dora Incontri, porém, não podemos esquecer que está escrito: “Nao cai uma folha da arvore, sem que Deus dê consewntimento. Ainda, mais ” É necessário o escândalo, mas, ai daquele que o comete” Nada nos acontece por acaso, isso nós conhecedores da doutrina SABEMOS.

  • Genaro

    Puxa, pegou exatamente a essência das minhas dúvidas e até mesmo me travava na garganta com o espiritismo. Para Deus não existe vingança.

  • Luana Florindo

    Por isso sou fascinada pelo Espiritismo , ops pela vida ! Que dom é viver eternamente … Parabéns pela reflexão, o mundo precisa de um pouco mais de compreensão , multiplicam seu sofrimento por alimentarem tantas ilusões e crenças . Que a luz acompanhe a todos os envolvidos.

  • veroni kootoman

    Tudo que falarmos a respeito do acontecido será meras conjecturas…pois dentro da Lei de Deus que é Justo e bom, estará as respostas necessárias a cada um conforme seu entendimento e esclarecimento. Que possamos olhar a todos os envolvidos sejam eles, os espíritos que desencarnaram, os espiritos familiares que ficaram e todos aqueles que de uma maneira ou de outra contribuiram para o desenlace desta natureza, orarmos, pedindo o amparo, o fortalecimento, a fé e a certeza do amor imponderável de Jesus.

    Orar…orar…orar…..vigiar…vigiar…vigiar, para não cometermos o erro do julgamento precipitado.

    braços fraternais!!

  • djmes taylor

    Quanto tempo ainda andará o coração humano nas trevas?

    Vivo a buscar meios que me levem a acreditar que tudo é possivel.

    O sofrimento fazendo parte da aprendizagem, traz em nossos corações as mais nobres reflexões, enquanto que nossas lagrimas lavam nossas dores o espirito amadurece no amor divino.

    Busquemos encontrar sim, a verdade! a verdade livre de antagonismo, de preceitos banais a qual estamos arraigados fisicamente e materialmente.

    Que nas duras lições da vida possamos lembrar daquele, que suportou tudo com amor, perdoando seus algozes em meio a dor e sofrimento.

    Que no amor fraterno de todos aqueles que buscam o verdadeiro caminho espiritual, possamos encontrar a paz na sublimidade do mestre JESUS.

  • Maria jose de freitas

    muito boa esta reflexão e pra pensar e repensar nossos atos e ações sem julgar os outros devemos orar e orar sempre

  • Marco Aurélio

    Infelizmente, não consigo entender a pedagogia utilizada por Deus no caso em tela. Como punir hoje os espiritos encarnados por algo que fizeram em vidas passadas. Uma coisa que na atual encarnação não lembram, e pagam de modo horrivel por uma ação que na vida atual, nem mais tendencias possuem. Seria justo eu punir hoje minha filha, que também lá poderia estar, por algo que ela fez aos 10 anos, e da qual nem mais lembra e que nunca voltou a fazer? Será que Deus inverte a máxima do cafajeste e diz “eu sei por que estou te batendo e você não sabe por que está apanhando?”; Para mim está muito, muito difícil entender que hordas de invasores, como citado no trecho de Emanuel acima, após 18 ou 20 anos de vida pacifica, na atual encarnação, mereçam tal desenlace? Que aprendizado? Que lição? Que progresso? Muito difícil entender!!! Mesmo para o espírito, olhando toda sua trajetória espiritual, poderia-se raciocinar: mas dessa vez eu fiz tudo direito? Para que tal violência comigo? eu voltei e me comportei! Por que não antes, quando eu estava imerso na violência e na dor? Por que agora para punir a tantos?
    São apenas reflexões de alguém que está tendo muita dificuldades de entender.

  • shirley aparecida filocomo

    Para as mães ( pais) de Santa Maria:
    seus filhos estão vivos em outra dimensão do nosso Mundo de Deus. Lá eles terão o cuidado que precisam nessa hora. A morte não é o fim. Quando tiverem condições para pensar, pensem que se seus filhos se foram, foi porque esta missão eles já haviam cumprido na Terra. Se aconteceu tão cedo, de uma forma muito dolorosa para todos, foi porque esta missão dessas vidas aqui na Terra era mais curta. Significa que estas vidas já tem um espírito mais purificado. Um dia eles darão notícias, e reencarnarão com uma nova vida ainda melhor, sem maiores sofrimentos. Também sou mãe, passo por momentos difícies; quero que vocês sejam abençoadas por Deus, e que minhas palavras sirvam para um pouco de consolo nesta hora tão dolorosa. Um abraço grandioso para vocês.

  • Cesar Reis

    Dora, lúcida e generosa. Deus a abençoe. Cesar Reis

  • Milton Pessino

    PARABENS DORA, É ISSO MESMO, NÃO SOMOS CATEDRATICOS EM SABER O DESTINO DE CADA UM DE NÓS, MAS UMA COISA E CERTA, NÃO PODEMOS ESQUECER Q VIVEMOS EM UM PLANETA AINDA INFERIOR E A COISAS Q CHAMAMOS DE KARMA É MUITO DIFÍCIL DE SER ANALIZADA, MAS COM CERTEZA NÃO DEIXA DE SER UMA DECORRENCIA PLANETARIA, A QUAL ESTAMOS SUJEITOS FACE A INFERIORIDADE DO PLANETA, MAS EM BREVE TUDO SERÁ DIFERENTE, ESTAMOS ENTRANDO NA REGENERAÇÃO E AS COISAS VÃO MUDAR, CONFORME DITO PELOS ESPÍRITOS SUPERIORES, PAZ E MUITA FÉ.

  • Juliana

    Sou espírita, mas não frequento nenhum centro, pois não posso simplesmente aceitar uma interpretação superficial humana dos fatos e abaixar a cabeça. Acho que a maior lição que aprendi até hoje é que somos muito, muito pequenos e que não temos capacidade, nem merecemos compreender todos os meandros, todos os mistérios divinos. Como somos pretensiosos ao achar que podemos conhecer a verdade? Somos tão imperfeitos, tão simplórios….temos que ter a humildade de responder “não sei”, “não tenho capacidade para responder ou compreender isso”, e apenas ter fé em Deus e em seus desígnios.
    Obrigada pelo texto claro, honesto e humilde.

  • Pedro Rombola

    Pedro

    29 de janeiro de 2013

    Vejo esse fato da seguinte forma – nós ainda não sabemos usar o nosso pensamento, tudo que vamos fazer precisamos pensar antes, ou seja, colocar o nosso pensamento antes, nem tudo que queremos para analisar se é possível de ser realizado, passar por cima de planejamento e não conhecer amplamente o que vai ocorrer em um evento é uma imprudência. Será que os administradores desse evento pensaram na segurança, para toda essa população ? Existe algum curso para quem administra um estabelecimento ? Obrigado, deixo aqui o mais amplo respeito de sentimento a todos.

  • patricia melo

    ” Um estudo aberto e não dogmático”. Para mim é imprescindível, pois não é possível diagnosticar ou dizer que isso aconteceu por uma causa “X”. É preciso um olhar de respeito e sensibilidade frente as experiências vividas por todos nós.

  • André Frank

    Como não concordar com essa reflexão? No entanto é preciso considerar que existem responsáveis que, manejando da imperícia, imprudência, negligência, do abuso do poder econômico, da corrupção, da irresponsabilidade, entre outros males, precisam ser chamados a prestar contas. Tenho muito medo de que a mensagem espírita seja interpretada de forma a nos conformarmos com as situações dolorosas ques e apresentam. O Espiritismo é o Consolador prometido por Jesus. Não é o “conformador.” O que houve em Santa Maria e que pode ter acontecido em outros lugares com menor repercusão, não é fatalidade, infelizmente. É tragédia anunciada. Assumem-se riscos e devemos buscar a responsabilização dos irresponsáveis. Sem ódio, sem desejo de vingança, sem rancor, mas com justiça. Se é certo que esses nossos irmãos, seus familiares e amigos, quitaram parte de seus débitos com a Lei, não menos verdade é que é preciso dar a César o que a César pertence. Em que pese não sermos do mundo, estamos no mundo e precisamos fazer a nossa parte sem nenhum tipo de omissão. É o que eu penso. Abraço fraterno.

  • sandra crisitina liutkus

    Também gostei, o que sabemos da Espiritualidade ainda é muito pouco, o que está pronto já não nos serve mais, estamos caminhando para o esclarecimento e isso só aconteçe para quem se pergunta. abços

  • Ernani Corrêa Santa Ritta.

    Parabéns, parabéns e obrigado pela difusão de questões espíritas, as quais buscam esclarecer a tanta gente, além, além de “explicações puramente óbvias” do acontecimentos da vida, explanando sobre questões coordenadas por Deus que, conforme o conhecimento espiritual, individual, ajudam a montar o quebra-cabeça às vezes não tão simples de aceitar a respeito de fatos da vida. Namastê… ;)))
    Ernani

  • Anderson Silva

    O pior ainda está por vir: mensagens recebidas em determinados centros espíritas por determinados médiuns, com relatos de supostas vítimas da tragédia, dizendo que em encarnações distantes foram responsáveis pela queima de pessoas no fogo da inquisição, ou no incêndio de Roma, entre outras tragédias da humanidade. Para completar, inúmeros espíritas passarão a repicar essas supostas mensagens, sem nenhum senso crítico.
    Quando ocorreu o caso do menino João Hélio, no Rio, arrastado por um carro roubado, logo começou a correr uma mensagem atribuída a ele, falando dos desmandos que ele cometera contra o próximo em tempos antigos, se divertindo e se vingando, arrastando pessoas nos carros romanos. Era dado até o nome do centro espírita de onde veio essa “mensagem”, numa falta de respeito com os pais do menino e numa leviandade contra o centro espírita. Como eu conhecia alguém do citado centro espírita, liguei e me disseram que nunca houve essa mensagem naquele centro.
    Eu comecei a responder a todos os e-mails que chegavam para mim com aquela mensagem, esclarecendo que era falsa. Mas aí já era tarde. Já havia se espalhado por toda a web.
    Oremos pelas vítimas fatais e pelos que continuam lutando pela vida.
    Anderson

  • Regina

    O texto é oportuno e conforta corações aflitos atingidos por essa tragédia, nos faz pensar tão somente no bem e não procurar-mos uma justificativa para o ocorrido, não temos essa resposta, como você mesma afirmou, mas podemos contribuir com nossa mais pura oração e vibração de paz e conforto para todos os envolvidos.

  • Carlos Augusto F. Moura

    Acabo de ler seu artigo! Concordo de forma incondicional com sua reflexão, nosso querido venerando Chico Xavier ,certamente daria o seu melhor abraço e sua melhor vibração acolhendo a todos nos envolvidos de forma direta e indireta nesta dor! Sem formatar qualquer juizo de valor.Façamos as nossa preces por todos a dor é imensa,mais não ficaremos desamparados. Muita paz!!!!

  • Aleixo Vilanova Gonçalves

    Minha irmã…! Vc. foi perfeita em suas colocações sobre essa tragédia. Nós Espíritas não devemos generalizar situações, ao contrário, cada qual possui individualmente suas necessidades ´dentro da Lei de Causa e Efeito. Existem muitas vertentes nessa tragédia e muitas delas possuem mão e contra-mão. Cada irmão/irmã envolvido na mesma tem que descobrir a sua vertente e a partir daí, buscar o seu entendimento e o melhor caminho a seguir. Mesmo acreditando que a Espiritualidade Superior reuniu ali irmãos enquadrados nessa Lei Maior, onde entra aí a liberdade de cada um(Livre Arbítrio).
    Nós Espíritas, então, devemos tomar cuidado em atender a irmãos que nos solicitam explicações, para não caírmos nas frases prontas, como muito bem vc., minha irmã colocou. Devemos sim apoiar a todos dentro das Leis naturais de Deus, tão bem detalhadas po Kardec e pelos espíritos superiores e mostrar que cada um é responsável por seus pensamentos e ações.
    Parabéns a vc. irmã, por sua clareza de pensamentos e colocações e por seu ponderado equilíbrio diante da grandeza da Doutrina dos Espiritos.

  • Jefferson Rodrigues Bellomo

    Dora,

    Eu vi no facebook uma série de postagens sobre a tragédia e muitas replicando o texto de Emmanuel/F C Xavier (“Chico Xavier pede licença”, Ed. GEEM) que se encontra no site da FEB. Creio que a intenção foi tão boa quanto os efeitos foram desastrosos. Resolvi escrever no meu blog a minha critica e uma amiga me passou esse seu artigo dizendo “tem mais gente que pensa como você”. Fiquei muito feliz em saber que tem pessoas de fé raciocinada, que pensam ao invés de se contentar com “carimbos doutrinários”. Caso tenha um tempinho, o blog é este:

    http://httpblogcristianismoespiritismo.blogspot.com.br/

    Um abraço – Jefferson R. Bellomo

  • alexandre Pedroso

    Até onde sei , tudo na sua vida é detalhadamente programado. Inclusive a morte. É só uma suposição.
    Mas pensando nisto imagino que foi para que se criasse uma nova percepção da realidade que existe hoje.
    Para que se vigie ainda mais nossas vidas , politica , amorosa e dentro de nosso maior bem que é nossa família.
    Se for isto estes espíritos merecem nosso respeito e nossas orações pela forma turbulenta de suas partidas.
    Varias vidas em cognição com um único intuito …. algo que iria alem de suas próprias famílias.
    Atingir o coração de muitos com a simplicidade que nossas vidas já não espiam.
    Estas pessoas se uniram , como uniram outras tantas de varias partes do pais.
    É um raciocínio singelo …… por que nada é por acaso.
    Mas é apenas uma teoria.
    Pois concordo que uma infinidade de situações realmente seriam de ressalto acordado com o cada um passou em suas viagens.
    Mas concordam que muitos morrem com um propósito?

  • MARLENE DE FATIMA DE OLIVEIRA NIECHEL

    EU COMO MÃE EU PEÇO À DEUS E OS ILUMINÁRIUOS DE LUZ E AOS SOCORRISTAS QUE RECEBAM ESTAS CRIANÇAS !!!!

  • Vinicius Soares

    Seu texto reflete um caráter de amor, humildade e caridade, traços de Cristo. Deus abençoe e te permita continuar exaltando este lado humano da doutrina Espírita.

  • Freddy Antonio Pinto

    Cara Profª, li atentamente seu comentário (publicado em um Jornal aqui de Santa Maria), realmente é a verdade que às vezes não queremos aceitar. Oremos e sejamos fortes para dar conforto a todas essas família.
    Freddy Antonio Pinto

  • José Affonso de Almeida Gomes

    A doutrina é o Consolador, e consola através dos seus princípios,como a Prof. comentou baseados em evidências e pesquisas.
    um grande abraço

  • Sergio Ricardo Bueno Mesquita

    Quando a sabedoria se sobrepõe a ignorância, parece que tudo no universo se ilumina e se encadeia da melhor forma possível, nestas horas de tanta dor e sofrimento somente uma alma iluminada para consolar.
    E a espiritualidade maior permite através de Dora Incontri que estas palavras consoladoras cheguem a todos nós. – Espetacular..

  • João batista

    Onde quer que estejamos jamais estaremos sós. Pois não importa vc onde estiver as mãos de deus estará pairando sobre nós. Nada acontece por acaso. O acaso é simples criação humana para explicar o que não temos que explicar pois deus não é humano e sim espiritual. Deus é imutavel.suas leis não dependem da aprovação do homem nem do mundo. Pois deus é extrema bondade sabedoria suprema causa primeira sobre todas as coisas e criaturas. Não temam o mal pois isto é apenas criações de nossas mentes necessitadas de conhecimento e amadurecimento espiritual. Orem pra cada um dos que lá estiveram cumprindo com suas missões.que deus nos fortaleça e nos leve as conquistas do nosso melhoramento e de nossa evolução rumo as verdadeiras ascenções morais e espirituais muita paz que jesus abénçõe esta humanidade tam necessitada de conhecimentos. Á morte é apenas uma passagem que leva quem aqui estava pra um lugar melhor do que este que estamos.conheçam a doutrina espirita pra que apredam a conhecer a vc’s mesmos. !!! Jesus ontem hoje e sempre. Eu estarei orando por todos encarnados ou desencarnados.que a paz esteja com com todos que assim seja.

  • Bruno Starnini Junior

    Dora Incontri:

    O artigo de sua autoria publicado originalmente em https://doraincontri.com/2013/01/28/reflexoes-espiritas-sobre-a-tragedia-de-santa-maria/ (e reproduzido abaixo), trata-se de uma análise muito bem construída sobre as diversas declarações que “líderes espíritas” deram em programas de auditório, jornalísticos e de entrevista, rádio, jornais, revistas e websites sobre os lamentáveis episódios em Santa Maria. Por isso, a intenção é publicá-lo na próxima edição do jornal Novo Espiritismo e Unificação que circulará na primeira semana de março/2013.

    Peço a sua autorização para a reprodução do referido artigo.

    Aguardo o seu contato e estou a sua disposição para quaisquer esclarecimentos sobre o jornal publicado bimestralmente pela União Intermunicipal Espírita de Santos, a USE-Santos.

    Saudações,

  • Monica Ferro

    Dora, não te conhecia ainda. E apreciei muito o respeito que tivestes ao tratar um tema tão delicado como esse. Conquistastes a minha admiração.
    Monica Ferro

  • Consuelo

    Sábias palavras, foi exatamente o que pensei.

  • André Ribeiro Ferreira

    Prezada Dora,
    gostamos do artigo sobre Santa Maria e solicitamos autorização para publicá-lo no Jornal Brasília Espírita. Favor entrar em contato com brasiliaespirita@atualpa.org.br

  • Carlos Nei Marques Machado

    Parabéns por sua reflexão, onde se vê a luz de um racicínio brilhante de sua parte, e mais ainda, muito bem baseada na doutrina esclarecedora do espiritismo, da qual sou seguidor. realmente uma matéria digna de ser divulgada nos jornais espiritas.
    Fraternal abraço
    Carlos Nei

  • Mara

    Ótimas e sábias palavras!!!
    Espero que possamos todos colocá-las em prática.
    abraço!
    Mara

  • Carlos Graça Aranha

    Parabéns pela lucidez. Até que enfim encontrei algum artigo espírita que não nos afronte a inteligência e o raciocínio lógico quanto a este tipo de tragédia. Como bem disse a articulista, apressam-se todos a fornecer explicações que, em verdade, são puras ilações. Não temos os dados suficientes para análises e talvez não os tenhamos, mas poucos espíritas ousam em expor as próprias limitações, tendo em vista que procuram quase sempre o tom “professoral” frente às vicissitudes da vida. Ademais, muitos no movimento espírita acreditam piamente que “este é o caminho”. Lamentável e triste sina. Jesus não fundou seita ou religião, então parece-me demais arvorar-se à condição de “o caminho” frente às demais religiões. Mais uma vez, parabéns pelo excelente artigo. É pretensão demais acreditar ser possível no atual estágio evolutivo querer explicar 238 mortes de uma só vez. Ps.: Não sou evangélico ou católico. Tenho uma certa admiração pelo espiritismo, estudei e estudo a doutrina, mas não sou cego, nem uso antórios. abs.

  • Márcia Garrido

    A única resposta pronta que podemos ter certeza é que nada acontece em nossas vidas sem que esteja dentro do cabimento da Lei de Deus. E sendo Deus bom, justo e misericordioso, justas hão de ser as causas dos sofrimentos.

  • josé alberto morais pinto

    Amo a sua racionalidade. Sempre tive muitas dúvidas sobre a tese do olho por olho, trazida de forma simplória, nesses casos de mortes coletivas. Obrigado pela sua colocação. A vida e bem mais complexa do que imagina os “papagaios” “esclarecedores”.

    • Roberto Haddad

      Prezada Dora,
      Sou católico/espírita. Católico porque eu e minha esposa temos nossas santas de devoção e que intercedem por nos (achamos assim e isso nos faz feliz). Somos espíritas porque achamos que a doutrina de Kardec é a que melhor explica a razão da nossa existência. Nos conforta. Entretanto, sou, confesso, muito critico. Não aceito com facilidade ou ate mesmo NÃO aceito determinados imposições e explicações de determinados palestrantes que se acham donos da verdade. Acho, ainda, que não se deve levar ao pé da letra tudo que esta escrito seja La onde for. Deus nos deu a capacidade de raciocinar e o livre arbitro exatamente para isso. Achei de muito mau gosto e até mesmo grande falta de educação, certas publicações que andaram sendo lançadas na mídia (qualquer forma de medida), sobre a tragédia de Santa Maria. Ha palestrantes espíritos que, de pronto, disseram que as vitimas eram aqueles NAZISTAS que levaram pessoa à câmara de gás. Mesmo tendo sido escrito, acho, em publicações fechadas. Achei uma grande falta de respeito para com os familiares e amigos daquelas vitimas. Não sou adepto do ” QUEM COM FERRO FERE, COM FERRO SERÁ FERIDO”. ACHO QUE ALGUÉM QUE COMETEU UM MAL QUALQUER EM ENCARNAÇÃO ANTERIOR, NÃO PRECISA, NECESSARIAMENTE REPARAR DA MESMA FORMA. Tomei como exemplo a estudante de medicina que iria se formar em medicina veterinária. Essa moça que supostamente teria sido uma NAZISTA, agora decidiu praticar o bem amando e cuidado de animais. Será que essa não seria a melhor forma de reparar o erro anterior??.
      Dona Dora, isso tem que ser muito bem pensando. Vamos supor que seja verdade: os jovem de Santa Maria morreram porque foram NAZISTAS, supostamente aqueles que foram mortos pelos NAZISTAS, morreram porque fizeram algo em encarnação anterior e assim regressivamente até………..não sei. Acreditado-se na lei de causa e efeito, então, teremos os NAZISTAS somente cumprindo a lei de Deus e, da mesma forma aqueles que atearam fogo na Boate de S. Maria. É uma situação muito complexa. Por isso gostei muito de seu post e principalmente do seguinte trecho que colo a baixo.

      Entretanto, essa racionalidade, que era realmente a proposta de Kardec, tem sido barateada em nosso meio, como tudo o mais, para tornar-se uma cartilha de respostinhas simples, fechadas e dogmáticas, que os adeptos retiram das mangas sempre que necessário, de maneira triunfante e apressada, muitas vezes, sem respeito pela dor do próximo e sem respeito pelas convicções do outro. Explico-me.

      Por exemplo: existe na Filosofia espírita uma leitura de mundo de “causa e efeito”, que traduziram como “lei do karma”, conceito que vem do hinduísmo. Essa ideia é de que nossas ações presentes geram resultados, que colheremos mais adiante ou que nossas dores presentes podem ser explicadas à luz de nossas ações passadas. Mas há muitas variáveis nesse processo: por exemplo, estamos sempre agindo e portanto, sempre temos o poder de modificar efeitos do passado; as dores nem sempre são efeitos do passado, mas sempre são motivos de aprendizado. O sofrimento no mundo resulta das mais variadas causas: má organização social, egoísmo humano, imprevidência… Estamos num mundo de precário grau evolutivo, onde a dor é nossa mestra, companheira e o que muitas vezes entendemos como “punição” é aprendizado de evolução.

  • Fernando Luiz Corrêa

    Parabéns Dora, é desta racionalidade e bom-senso que Kardec rezou.

  • Erasmo Aguilera

    Querida Dora.
    Ayer domingo dando una conferencia en la ciudad de Nacaome, localizada al sur de mi país; dentro de las preguntas hechas estaban algunas referentes a etiquetar las muertes masivas como “karma, como una expiación o prueba”. Me acorde de este artículo en cuanto a la rapidez con que nosotros tendemos a dar respuestas hechas, cerradas para estos casos. Recordé también lo que dice el Padre Germán, espíritu guía de Amalia Domingo Soler en su libro “Hechos que Prueban”, en el caso de un coma que duro 32 años y que al final cuando despetó ya era una mujer de mas de 60 años; al consultar Amalia a su espíritu guía éste le dijo que el ser humano de 100 juicios que hace 99 están equivocados y en este pasa lo mismo, ¿cuantos crímenes no se han imaginado para esta hermana en coma? Y en verdad este caso fue motivado por un gran amor….
    Expusimos este enfoque a la asamblea, pero por las repreguntas que se hicieron sobre el tema entendí que querían que etiquetara de karma, de expiación o prueba. Es verdad el espírita es dado a esas conclusiones inmediatistas olvidándose del dolor que envuelve cada caso en particular. Seguiremos esta labor de aplicar la ética en todos nuestros razonamientos.
    Gracias amiga por exponernos tus puntos de vistas tan claramente para retomar la esencia en las enseñanzas de Allan Kardec.

  • sandra

    gostei muito de seu parecer, adoro ser espirita e qdo vejo artigos sobre o motivo do desencarne coletivo dizendo que eram pessoas que cometiam barbaridades com os cristão no colizeu fico chateada, é preciso ser coerente, como a doutrina ensina ser racional. Não podemos saber tudo,não é preciso explicar tudo.

  • Edna Nogueira

    Gostei de sua reflexão. Não sou espírita, mas tenho muitas amigas que são. Sempre que estou ao lado delas, sinto paz e tranquilidade.

    Gostaria de compartilhar um fato curioso referente a essa tragédia em Santa Maria.

    Na madrugada de sábado para domingo, eu sonhei com essa tragédia.
    No sonho, eu estava em frente a boate, de mãos dadas com alguém (não sei quem) juntamente com outras inúmeras pessoas de mãos dadas e em oração. Estávamos todos de branco balbuciando algumas palavras.

    No domingo, quando acordei, ainda na cama comentei o sonho com o meu namorado. Descrevi a fachada da boate, os prédios ao lado, a rua, as pessoas no chão, a fumaça preta, a expressão das pessoas pedindo ajuda e ansiando a vida.

    Por volta das 9:00, tomando o café da manhã, ao ligar a TV vi que o sonho foi real, e logo as lágrimas escorreram e aquele aperto no peito ficou durante um bom tempo.

    É a primeira vez que torno isso publico, ainda é difícil falar sobre isso, pois eu não sabia o que fazer com essa informação do sonho. Não conheço nenhuma pessoa que reside em Santa Maria.

    Acredito, sobretudo, que apesar da complexidade do entendimento, Deus nos deu o livre arbítrio para ministrar nossas vidas. Diante disso, somos tomados por escolhas e nem sempre o que julgamos ser o certo é o mais correto a se fazer.

    Algum dia, lá no futuro, seja ele breve ou longínquo, saberei o motivo de ter sonhado com essa lamentável tragédia.

  • Sandra haicki

    Beleza!!! Obrigada po partilhar.

  • Celso Benito

    Parabéns, Dora, por este post. Perfeito.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: